Os humanos resistem

Em 13 de dezembro de 2016 por Dani Cronemberger

8ec9be6263fbe2b579f30dab662d1baf
No meio da crise de caráter e de conteúdo da imprensa, uma coisa me impressiona há vários anos: o desaparecimento do ser humano das notícias. Pouco a pouco no início, e rapidamente nos últimos tempos, a narrativa dos acontecimentos abandonou a pessoa comum. Aquela que não é “autoridade”, não é “especialista”, nem “jornalista”.

A pessoa comum, no jornalismo, é a extraordinária na vida real. É aquela afetada pelos acontecimentos, vive na pele o que está sendo escrito. É, portanto, a parte mais fundamental de toda a história. A opinião que realmente importa.

Com raríssimas exceções, há muito tempo o jornalismo não escuta nem enxerga mais o humano. A boa notícia é que, também há tempos, a imprensa perdeu o monopólio da narrativa. E a ocupação desse espaço vem em múltiplos formatos: livro impresso, filme, blog, plataforma de pesquisa, e outros tantos que ainda nem conheço.

Esse tipo de resistência também existe em Brasília, sabia? Conhece o projeto Lupa? Se não, dedique um tempinho do seu dia pra conhecer pessoas, se colocar no lugar delas. Dedicamos cada vez menos tempo a ouvir com atenção o outro, e não tem nada mais transformador do que isso.

O projeto Lupa reúne depoimentos e fotos de gente que, de alguma forma, conta histórias. Você encontra lá uma mistura de humanos que são tão diferentes quanto semelhantes. O livreiro que faliu, a mulher que curou suas dores escrevendo, o artista que espalha desenhos pela cidade.

Quem conta a história dos contadores de histórias são três mulheres. Naiara Leão, jornalista que largou a imprensa decidida a trabalhar com algo que lhe dê satisfação. Thaís Antonio, que trocou o desenho industrial pelo jornalismo e descobriu que se emociona em contar histórias sobre pessoas. E Emília Silberstein, formada em cinema e fotógrafa por profissão: é quem retrata com doçura as personagens.

Juntas, elas já contaram 63 histórias – e tive a sorte de ser a 63ª. Por algumas horas, saí do meu confortável e quentinho lugar de jornalista, acostumada a olhar e definir o outro, e me deixei ser olhada e definida. Foi um desconforto importante. Obrigada, meninas, por me fazer colocar essa lupa no espelho.

[foto: Pierre Boucher, Jeanine Prévert with Magnifying Glass, 1938]

Bora?

Projeto Lupa
Acesse o site: projetolupa.com
Página no face: aqui

  • Eduardo Maciel

    Que projeto fantástico!
    Dediquei algum tempo da tarde de hoje lendo as histórias no facebook

    • Dani Cronemberger

      Que ótimo, Eduardo!